El subempleo en perspectiva histórica y la estructura de ocupaciones en Brasil entre 1980 y 2010

Gustavo Zullo  orcid ; gustavozullo@gmail.com
 Universidade Estadual de Campinas -- Unicamp ; Brasil

Fecha de envío 2018/03/29    Aceptado 2018/05/28   Publicado 2019/05/17

Resumen


Este artículo propone un examen teórico e histórico de las fragilidades presentes en la estructura ocupacional brasileña a partir del concepto de subempleo presentado por Rodríguez (1985). Para destacar los vínculos entre las actividades agrícolas y no agrícolas, observamos un deterioro acentuado del mercado de trabajo entre 1980 y 2010. Este período es, por un lado, marcado por la desindustrialización y, por otro, por la especialización regresiva, que tiene en la expansión constante de la frontera agrícola una de sus principales características.

Palabras clave


historia; subdesarrollo; estructura ocupacional; subempleo.

Referencias


Baltar, P. (2015). Crescimento da economia e mercado de trabalho no Brasil (Texto para discussão Núm. 2036). Recuperado de Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Recuperado de http://hdl.handle.net/10419/121610

Cacciamali, M. C. (2007). (Pré-)Conceito sobre o setor informal, reflexões parciais embora instigantes. Revista Econômica, 9(1), 145–168. DOI: 10.22409/economica.9i1.p140

Carneiro, M. J. (2018). ‘Rural’ como categoria de análise. Ruris, 2(1), 9-38.

Castilho, A. L. (2012). Partido da terra: como os políticos conquistam o território brasileiro. São Paulo: Editora Contexto.

Coutinho, L. (1997). A especialização regressiva: Um balanço do desempenho industrial pós-estabilização. Em J. P. R. Velloso (ed.), Brasil. Desafios de um país em transformação (pp. 81-106). Rio de Janeiro: J. Olympio.

Dedecca, C. (2012). Desigualdade, mas de qual falamos? Revista de Economia Política, 32(1), 55-71.

Delgado, G. C. (2012). Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Departamento Intersindical de Estudos e Estatícas (2016). Metodologia da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos. São Paulo: Autor.

Draibe, S. (1985). Rumos e metamorfoses. Um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil: 1930-1960. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Espósito, M. (2016). A importância do capital internacional nas transformações da estrutura produtiva brasileira: da industrialização à desindustrialização (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Fernandes, F. (1981). Poder e contrapoder na América Latina. Petrópolis: Zahar.

Fernandes, F. (1991). O PT em movimento: Contribuição ao 1° Congresso do Partido dos Trabalhadores. São Paulo: Cortez /Autores Associados.

Fernandes, F. (2006). A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. São Paulo: Globo.

Fernandes, F. (2008a). A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Globo.

Fernandes, F. (2008b). Sociedade de classes e subdesenvolvimento. São Paulo: Global.

Fernandes, F. (2009). Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. São Paulo: Global.

Furtado, C. (1972). Análise do “modelo” brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Furtado, C. (1980). O mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Nacional.

Furtado, C. (1982). A nova dependência: Dívida externa e monetarismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hobsbawm, E. (1969). La marginalidad social en la historia de la industrialización europea. Revista Latinoamericana de Sociología, 5(1), 237-247.

Hobsbawm, E. J. (1995). Era dos extremos: o breve século XX 1914-1991 (2. ed). São Paulo: Companhia das Letras.

Hoffmann, H. (1980). Desemprego e subemprego no Brasil. São Paulo: Ática.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1981). Emprego, subemprego e desemprego. Rio de Janeiro: Autor.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2014). Censo Demográfico - 1980, 1991, 2000, 2010. Rio de Janeiro: Autor.

International Labour Office (1972). Employment, income and equality: A strategy for increasing productive employment in Kenya. Genebra: Autor.

Kowarick, L. (1975). Capitalismo e marginalidade na América Latina. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Marx, K. (2013). O capital: Crítica da economia política. São Paulo: Boitempo.

Mattos, F. A. M. de e Lima, S. da S. (2015). Apontamentos para o debate sobre o pleno emprego no Brasil. Economia e Sociedade, 24(2), 293–328. DOI: 10.1590/1982-3533.2015v24n2art3

Medeiros, C. (1998). Globalização e a inserção internacional diferenciada da Ásia e da América Latina. Em M. da C. Tavares e J. L. Fiori (eds.), Poder e dinheiro: uma economia política da globalização (6a ed). Petrópolis: Editora Vozes.

Medeiros, C. (2015). Inserção Externa, Crescimento e Padrões de Consumo na Economia Brasileira. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Nakatani, P. e Sabadini, M. (2002). Desestruturação e informalidade do mercado de trabalho no Brasil. Revista Venezolana de Análisis de Coyuntura, 8(2), 265-290.

Oliveira, A. (2003). Crítica à razão dualista: O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo.

Oliveira, A. (2007). Modo capitalista de produção, agricultura e reforma agrária. São Paulo: Universidade de São Paulo/Labur Edições.

Organização Internacional do Trabalho (1972). Employment, income and equality: A strategy for increasing productive employment in Kenya. Genebra: Autor.

Pinto, A. (1976). Heterogeneidade estrutural e modelo de desenvolvimento recente. Em J. Serra (ed.), América Latina: ensaios de interpretação econômica (pp. 44-82). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Portugal Jr., J. G. (1998). Economia regional e os problemas do emprego. São Paulo: Fundap.

Portugal Jr., J. G. (2012). Padrões de heterogeneidade estrutural no Brasil (Tese de doutorado). Campinas, UNICAMP.

Prado Jr., C. (1987). A revolução brasileira. São Paulo: Brasiliense.

Prado Jr., C. (2012). História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense.

Robinson, J. (1937). Disguised unemployment. Em Essays in the theory of employment (pp. 60-74). Oxford: Basil Blackwell.

Rodríguez, O. (1985). Agricultura, subempleo y distribución del ingreso: Notas del caso brasileño. Economía de América Latina, (13), 63-77.

Sabadini, M. e Nakatani, P. (2002). Desestruturação e informalidade do mercado de trabalho no Brasil. Revista Venezolana de Análisis de Coyuntura, 8(2), 265-290.

Sampaio Jr., P. A. (2007). Globalização e reversão neocolonial: O impasse brasileiro. Em G. Hoyos (ed.), Filosofía y teorías políticas entre la crítica y la utopía. Buenos Aires: CLACSO.

Souza, P. R. (1980). Emprego, salário e pobreza. São Paulo: Hucitec/Fundação de Desenvolvimento da Unicamp.

Souza, P. R. (1999). Salário e emprego em economias atrasadas. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Suzigan, W. (1992). A indústria brasileira após uma década de estagnação: Questões para política industrial. Economia e Sociedade, 1, 89-109.

Szmrecsányi, T. (1982). Análise das políticas para o setor agropecuário. Em L. G. de M. Belluzzo e R. Coutinho (eds.), Desenvolvimento capitalista no Brasil: ensaios sobre a crise (pp. 255-274). Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Tavares, M. C. (1981). Problemas de industrialización avanzada en capitalismos tardíos y periféricos. Economía de América Latina, 6, 21-42.

Tokman, V. (1978). Distribución del ingreso, pobreza y empleo en áreas urbanas. El Trimestre Económico, 45(1), 737-766.

Tokman, V. y Souza, P. R. (1976). El sector informal urbano en América Latina. Revista Internacional del Trabajo, 94(3), 385-397.

Zullo, G. J. D. (2014). A questão salarial revisitada: Exército industrial de reserva e heterogeneidade estrutural (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Zullo, G. J. D. (2017). Interpretações da estrutura ocupacional na América Latina: o debate marxista e a heterogeneidade estrutural. História Econômica & História de Empresas, 20(1), 209–241. DOI: 10.29182/hehe.v20i1.442




DOI: http://dx.doi.org/10.18232/alhe.979

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 América Latina en la Historia Económica

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.