O Conselho Ultramarino e a arrematação dos contratos da América portuguesa: o caso da capitania de São Paulo, 1723-1760

Bruno Aidar  orcid ; profbrunoaidar@gmail.com
 Universidade Federal de Alfenas ; Brasil

Fecha de envío 2017/12/26    Aceptado 2018/06/01   Publicado 2019/01/01

Resumen


Neste trabalho, busca-se indicar, pelo estudo de caso da capitania de São Paulo, como a jurisdição sobre a arrematação dos contratos representava um dos eixos principais na delimitação da arquitetura de poderes no império português na época de dom João V. Outro objetivo é analisar, pela perspectiva fiscal, como o governo do império era formado por configurações institucionais entre diversas camadas do poder local, regional e central, destacando-se este segundo espaço de poder sobre as formas de negociação e conflito na monarquia. A primeira seção aborda alguns aspectos econômicos da capitania de São Paulo. A segunda seção analisa o movimento pendular entre o Conselho Ultramarino e a Provedoria da Fazenda paulista quanto à jurisdição sobre os leilões de venda dos contratos da capitania. Na terceira seção, são apontadas as trajetórias de alguns contratadores vinculados à capitania. 


Palabras clave


Fiscalidade; arrematação de contratos; capitania de São Paulo; d. João V

Referencias


ANTEZANA, S. L. V. (2006). Os contratadores dos caminhos do ouro das Minas Setecentistas: estratégias mercantis, relações de poder, compadrio e sociabilidade (1718-1750) (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

ARAÚJO, L. A. S. (2008). Em nome do rei e dos negócios: direitos e tributos régios nas minas setecentistas (1730-1789) (Tese de doutorado). Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Archivo Nacional. (1928). Documentos historicos (Vol. 1). Rio de Janeiro: Braggio & Reis.

Arquivo do Estado de São Paulo. (1896). Documentos interessantes para a Historia e Costumes de S. Paulo (Vol. 18). São Paulo: Typographia Aurora.

Arquivo do Estado de São Paulo. (1901). Documentos interessantes para a Historia e Costumes de S. Paulo. (Vol. 32). São Paulo: Typographia Aurora.

Arquivo do Estado de São Paulo. (1944). Documentos interessantes para a História e Costumes de São Paulo (Vol. 68). São Paulo: Tipografia do Globo.

BLAJ, I. (2002). A trama das tensões: o processo de mercantilização de São Paulo colonial (1681-1721). São Paulo: Humanitas/Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.

BORREGO, M. A. D. M. (2006). A teia mercantil: negócios e poderes em São Paulo colonial (1711-1765) (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

CARRARA, A. A. (2007). Minas e currais: produção rural e mercado interno em Minas Gerais, 1674-1807. Juiz de Fora, MG: Universidade Federal de Juiz de Fora.

CARRARA, A. A. (2009). Receitas e despesas da Real Fazenda no Brasil, século XVIII: Minas Gerais, Bahia, Pernambuco. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz de Fora.

COSTA, A. (2013). Sistemas fiscais no império: o caso do ouro do Brasil, 1725-1777 (Tese de doutorado). Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

COSTA, F. y OLIVAL, F. (2005). Elites económicas. En P. LAINS y A. F. SILVA (Eds.), História económica de Portugal (Vol. 1, pp. 323-343). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

DIAS, C. B. (2010). A pesca da baleia no Brasil colonial: contratos e contratadores do Rio de Janeiro no século XVII (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Fluminense, Niterói.

ELLIS, M. (1975). São Paulo, de capitania a província: pontos de partida para uma História político-administrativa da Capitania de São Paulo. Revista de História, 52(103), 147-216. DOI: 10.11606/issn.2316-9141.rh.1975.133148

ELLIS, M. (1982). Comerciantes e contratadores do passado colonial: uma hipótese de trabalho. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, 0(24), 97-122. DOI: 10.11606/issn.2316-901X.v0i24p97-122

FERREIRA, L. S. (2010). Amor, sacrifício e lealdade. O donativo para o casamento de Catarina de Bragança e para a paz de Holanda (Bahia, 1661-1725) (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Fluminense, Niterói.

FIGUEIREDO, L. R. A. (2004). Equilíbrio distante: o Leviatã dos Sete Mares e as agruras da Fazenda real na província fluminense, séculos XVII e XVIII. Varia Historia, 32, 144-175.

HESPANHA, A. M. (1994). As vésperas do leviathan: instituições e poder político Portugal - séc. XVII. Coimbra: Livraria Almedina.

HOLANDA, S. B. (1976). Monções. São Paulo: Alfa-Ômega.

JOYCE JR., J. N. (1974). Spanish influence of Portuguese administration: A study of the Conselho da Fazenda and Habsburg Brazil, 1580-1640 (Tese de doutorado). University of Southern California, Los Angeles.

LEME, L. G. S. (1903). Genealogia Paulistana. São Paulo: Duprat.

LYRA, M. L. V. (1970). Os dízimos reais na capitania de São Paulo: contribuição à história tributária do Brasil colonial (1640-1750) (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

MEDICCI, A. P. (2010). Administrando conflitos: o exercício do poder e os interesses mercantis na capitania/província de São Paulo (1765-1822) (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

MONTEIRO, J. M. (1994). Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras.

NEGRÃO, F. (Ed.). (1906). Boletim do Archivo Municipal de Curytiba (vol. 1: Fundação da vila de Curitiba 1668-1721). Curitiba: Typ. e Lith. a vapor Impressora Paranaense.

NEGRÃO, F. (1924). Boletim do Archivo Municipal de Curytiba (vol. 7: Fundação da vila de Curitiba 1668-1745). Curitiba: Livraria Mundial.

PEDREIRA, J. M. (1995). Os homens de negócio da praça de Lisboa de Pombal ao vintismo (1755-1822). Diferenciação, reprodução e identificação de um grupo social (Tese de doutorado). Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

RAU, V. y SILVA, M. F. G. S. (Eds.). (1956). Os manuscritos do arquivo da Casa de Cadaval respeitantes ao Brasil. Coimbra: Acta Universitatis Conimbrigensis.

RIBEIRO, M. R. (2010). Se faz preciso misturar o agro com o doce: a administração de Gomes Freire de Andrada, Rio de Janeiro e Centro-Sul da América portuguesa (1748-1763) (Tese de doutorado). Universidade Federal Fluminense, Niterói.

SILVA, M. B. N. (Ed.). (2009). História de São Paulo colonial. São Paulo: Universidade Estadual Paulista.

SOUSA, A. (1922). Os Andradas. São Paulo: Typographia Piratininga.

SOUSA, J. R. M. C. C. (1783). Systema ou collecção dos regimentos reais. Lisboa: Oficina de Francisco Borges de Sousa.

SOUZA, L. M. (2006). O sol e a sombra: política e administração na América portuguesa do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras.

ZEMELLA, M. P. (1990). O abastecimento da Capitania das Minas Gerais no século XVIII (2a. ed.). São Paulo: Hucitec/Universidade de São Paulo.

Arquivos

AHU Arquivo Histórico Ultramarino, Lisboa, Portugal.

ANRJ Arquivo Nacional, Rio de Janeiro, Brasil.

ANTT Arquivo Nacional, Torre do Tombo, Lisboa, Portugal.

APESP Arquivo Público do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil.




DOI: http://dx.doi.org/10.18232/alhe.944

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 Bruno Aidar

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.