Entre o conservadorismo orçamentário e o desenvolvimento regional. Finanças públicas e infraestrutura de transportes em Minas Gerais na Primeira República

Marcelo Godoy ; mmgodoy@cedeplar.ufmg.br ; Brasil

André Horta ; andrehortap@gmail.com ; Brasil

Lidiany Barbosa ; lidiany@cedeplar.ufmg.br ; Brasil

Fecha de envío 2016/07/11    Aceptado 2016/09/06   Publicado 2017/05/02

Resumen


O principal escopo é examinar, com base em novas evidências, a evolução das finanças públicas de Minas Gerais na República Velha, com destaque para o lugar do dispêndio com a infraestrutura de transportes. Também se discute a vigência de conflito entre preocupação com o equilíbrio orçamentário e políticas de desenvolvimento. Na primeira seção são analisadas as receitas e despesas estaduais, com ênfase na classificação dos comportamentos assumidos por essas variáveis ao longo do período e na determinação das principais rubricas que as compunham. Também é examinada a evolução da dívida fundada, assim como sua correlação com as despesas públicas. A segunda seção analisa especificamente os gastos com a infraestrutura de transportes, nomeadamente ferrovias e estradas de rodagem. Primeiro o relacionamento entre o crescimento da malha ferroviária e as despesas do Estado com garantias de juros, subvenções e empréstimos a companhias ferroviárias. Em seguida a evolução dos gastos com rodovias.


Palabras clave


Minas Gerais, República Velha, finanças públicas, transportes, desenvolvimento regional

Referencias


ABREU, M. D. P. (1999). Brasil, 1824-1957: bom ou mau pagador? (Texto para discussão). Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

ACIOLI, R. (2007). Os mecanismos de financiamento das ferrovias brasileiras (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil.

BARBOSA, D. H. (2012). Tecnoburocracia e pensamento desenvolvimentista em Minas Gerais (1903-1969) (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, Brasil.

BARBOSA, L. S., GODOY, M., MENDES, Ph. Sh. (2011). Transportes e finanças públicas: contribuição para o estudo do lugar do dispêndio em infraestrutura viária nos orçamentos provinciais e municipais de Minas Gerais, 1835-1889. Em A. GOULARTI e P. R. C. QUEIROZ (orgs.), Transportes e formação regional: contribuição à história dos transportes no Brasil. Dourados: Universidade Federal da Grande Dourados.

BASTOS, C. D. A. (1997). Instituições financeiras de Minas Gerais, 1819-1995. Belo Horizonte: s. e.

BATISTA, F., BARBOSA, L. S., GODOY, M. (2012). Transportes, modernização e formação regional: Subsídios à história da era ferroviária em Minas Gerais, 1870-1940. Revista de História Regional, 17(1), 162-203.

BESSA, A. L. D. (1981). História financeira de Minas Gerais em 70 anos de República. Belo Horizonte: Imprensa Oficial.

CALÓGERAS, J. P. (1931). Reforma tributária de Minas. Belo Horizonte: Imprensa Oficial.

COSTA, F. e DEOS, S. (2002). Reflexões sobre o financiamento na economia brasileira. Análise Econômica, 19(36), 23-44.

COSTA, W. (1998). A questão fiscal na transformação republicana – continuidade e descontinuidade. Economia e Sociedade, 10, 141-173.

DULCI, O. (2005). João Pinheiro e as origens do desenvolvimento mineiro. Em: GOMES, ÂNGELA DE CASTRO (org.). Minas e os fundamentos do Brasil moderno. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

DULCI, O. (1999). Política e recuperação econômica em Minas Gerais. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

FERREIRA, M. D. M. e PINTO, S. C. S. (2003). A crise dos anos 1920 e a revolução de 1930. Em J. FERREIRA e L. A. DELGADO, O tempo do liberalismo excludente. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO (2006). Memória política de Minas Gerais: Raul Soares de Moura. Belo Horizonte: Autor/Centro de Estudos Históricos e Culturais.

FURTADO, C. (1959). Formação econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura.

IGLÉSIAS, F. (1982). Política econômica do estado de Minas Gerais, 1890-1930. Em N. D. G. MONTEIRO (org.). Seminário de estudos mineiros: a República Velha em Minas. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [IBGE] (1941). Repertório Estatístico do Brasil, Quadros Retrospectivos nº 1 (Separata do Anuário Estatístico do Brasil, ano V, 1939-1940). Rio de Janeiro: Autor.

JACOB, R. (1911). Minas Gerais no XX seculo. Rio de Janeiro: Gomes, Irmão & C.

LOPREATO, F. L. C. (2002). O colapso das finanças e a crise da federação. São Paulo: Universidad Estatal Paulista.

MAIA, J. N. e SARAIVA, J. F. (2012). A paradiplomacia financeira no Brasil da República Velha, 1890-1930. Revista Brasileira de Política Internacional, 55(1), 106-134.

MARTINS FILHO, A. V. (2009). O segredo de Minas: a origem do estilo mineiro de fazer política (1889-1930). Belo Horizonte: Crisálida.

MARTINS, M. D. C. (1995). Estrutura e dinâmica da organização político-administrativa de Minas Gerais. Belo Horizonte: Arquivo Público Mineiro.

MATTOS, S. D. (1932). O problema das estradas de rodagem. Belo Horizonte: Imprensa Oficial.

MENDES, Ph. Sh. (2007). Finanças públicas da província de Minas Gerais. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

MINAS GERAIS (1928). Secretaria de Estado da Agricultura. Relatorio apresentado ao Sr. Dr. Antonio Carlos Ribeiro de Andrada, Presidente do Estado de Minas Gerais, pelo Sr. Dr. Djalma Pinheiro Chagas, Secretario da Agricultura, Industria, Terras, Viação e Obras Publicas, e referente ao periodo de 1º de janeiro de 1927 a 15 de junho de 1928. Belo Horizonte: Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais.

MINAS GERAIS (1937). Finanças municipaes no Estado de Minas Gerais (1927-1931). Belo Horizonte: Officinas Graphicas da Estatistica.

MINAS GERAIS (1954). Finanças do Estado de Minas Gerais: período republicano, 1890-1953. Belo Horizonte: Secretaria das Finanças.

MINAS GERAIS (1981). Congresso Agrícola, Industrial e Comercial de 1903. Fundação João Pinheiro, 1(5-6), 122-220. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro.

ÓNODY, O. (1960). A inflação brasileira (1820-1958). Rio de Janeiro: s. e.

PAULA, J. A. D. (2004). Raízes do desenvolvimentismo: pensamento e ação de João Pinheiro. Pesquisa & Debate. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia Política, 15(2(26)), 257-282.

PRADO, C. (1959). História Econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense.

RESENDE, M. E. L. D. (2003). O processo político na Primeira República e o liberalismo oligárquico. Em J. FERREIRA e L. D. A. N. DELGADO, O tempo do liberalismo excludente: da Proclamação da República à Revolução de 1930. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

TARGA, L. R. P. (2008). A política fiscal modernizadora do Partido Republicano Riograndense na Primeira República (1889-1930) (Textos para discussão FEE, 26). Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser.

WIRTH, J. D. (1982). O fiel da balança: Minas Gerais na federação brasileira, 1889-1937. Rio de Janeiro: Paz e Terra.




DOI: http://dx.doi.org/10.18232/alhe.v24i2.803

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 América Latina en la Historia Económica

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.