A simbiose entre a DOCENAVE e a indústria naval brasileira

Alcides Goularti Filho ; alcides@unesc.net
 Universidade do Extremo Sul Catarinense ; 

Fecha de envío 2016/02/16    Aceptado 2016/06/17   Publicado 2017/01/01

Resumen


O objetivo desse artigo é discutir a relação entre a DOCENAVE, uma companhia de navegação subsidiária da Companhia Vale do Rio Doce, e a trajetória de consolidação e desmonte parcial da indústria da construção naval pesada no Brasil entre 1963 e 1997. O período compreende desde a criação da DOCENAVE à privatização da Companhia Vale do Rio Doce. A DOCENAVE, juntamente com outros armadores estatais, Lloyd Brasileiro e Frota Nacional de Petroleiros, ajustou-se às estratégias da Superintendência Nacional da Marinha Mercante, que tinha como objetivo fortalecer e consolidar o setor naval brasileiro. Tendo como referência básica os relatórios de atividades da Companhia Vale do Rio Doce, anuários da Marinha Mercante e artigos da revista Portos e Navios, além de outras fontes documentais e bibliográficas, o texto analisa a trajetória da Companhia Vale do Rio Doce e da DOCENAVE em quatro décadas: novos mercados e criação da DOCENAVE (1960), expectativas favoráveis e ampliação da frota (1970), diversificação da produção e consolidação da companhia (1980) e incertezas e desnacionalização das encomendas (1990).

Palabras clave


construção naval; economia; marinha mercante; mineração

Referencias


Araújo Júnior, J. T. D. (1985). A indústria de construção naval no Brasil: desempenho recente e perspectiva. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Belluzzo, L. G. e De Almeida, J. G. (2002). Depois da queda: a economia brasileira da crise da dívida aos impasses do Real. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Biondi, A. (1999). O Brasil privatizado: um balanço do desmonte do Estado. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Biondi, A. (2000). O Brasil privatizado II: o assalto das privatizações continua. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Cárdenas, E. (1988). Historia de las comunicaciones y los transportes en México: marina mercante. Ciudad de México: Secretaría de Comunicaciones y Transportes.

Carneiro, R. (2002). Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: Universidade Estadual Paulista.

Comissão, D. M. M. (1963). Relatórios das atividades da Comissão da Marinha Mercante. Rio de Janeiro: Ministério da Viação e Obras Públicas.

Companhia Vale do Rio Doce [CVRD] (1992). Companhia Vale do Rio Doce: 50 anos de história. Rio de Janeiro: Autor.

Companhia Vale do Rio Doce [CVRD] (1998). Relatório de atividades. Rio de Janeiro: Autor.

Conselho do Desenvolvimento (1958). Programa de Metas. Rio de Janeiro: Presidência da República.

Coutinho, L. e Belluzzo, L. G. D. M. (1984). Política econômica, inflexoes e crise: 1974-1981. Em R. Coutinho e L. G. D. M. Belluzzo, Desenvolvimento capitalista no Brasil: ensaios sobre a crise, vol. 1. São Paulo: Brasiliense.

DOCENAVE: sua origem, seu destino (setembro, 1967). Portos e Navios, 10(97).

DOCENAVE contrata a construção de dois navios misto minério/óleo (março, 1968). Portos e Navios, 11(103).

DOCENAVE expande a frota (dezembro, 1969). Portos e Navios, 11(112).

DOCENAVE expande a frota de graneleiro (setembro, 1969). Portos e Navios, 12(121).

DOCENAVE: dez anos de atividade (setembro, 1972). Portos e Navios, 15(157).

DOCENAVE, uma empresa em expansão (dezembro, 1974). Portos e Navios, 17(184).

DOCENAVE e o transporte de granéis (junho, 1977). Portos e Navios, 20(214).

DOCENAVE: 20 anos abrindo caminhos (outubro, 1982). Portos e Navios, 25(278).

DOCENAVE revê estratégia comercial (junho, 1986). Portos e Navios, 29(322).

Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes [GEIPOT] (1999). Política governamental e competitividade da indústria brasileira de construção naval: evolução, estrutura e diagnóstico (vol. 2). Brasília: Autor.

Frota Nacional de Minérios e Carvão (1960). Conjuntura Econômica, 14(4).

Garrido, E., Castagneto, P., Mesina, V. e Rivera, E. (2006). Historia de la marina mercante chilena 1541-2006. Valparaíso: Asociación Nacional de Armadores.

Gomes, F. M. (1983). História da siderurgia no Brasil. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/Editora da Universidade de São Paulo.

Goularti Filho, A. (2010). A trajetória da marinha mercante brasileira: administração, regime jurídico e planejamento. Pesquisa & Debate, Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia Política, 21(2), 247-278.

Goularti Filho, A. (2014). Presença e ausência do Estado na trajetória da indústria da construção naval brasileira-1959-1989. Nova Economia, 24(2), 445-470.

Hilferding, R. (1985). O capital financeiro. São Paulo: Nova Cultural.

List, G. F. (1986). Sistema nacional de economia política. Os economistas. São Paulo: Nova Cultural.

Mayrink, G. (2002). Histórias da Vale. São Paulo: Museu da Pessoa.

Marx, K. (1991). O capital: crítica da economia política. Rio de Janeiro: Bertand.

Ministério da Viação e Obras Públicas (1958). Grupo Executivo da Indústria de Construção Naval-Geicon. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação.

Pimenta, D. J. (1981). A Vale do Rio Doce e sua história. Belo Horizonte: Vega.

Pinheiro, J. C. D. F. (1996). Companhia Vale do Rio Doce: o engasgo dos neoliberais. Belo Horizonte: Centro de Documentação e Informação.

Russo, C. (2014). Estado e industria: la construcción y reparación de barcos en Argentina. Em Anais de IV Congreso Latinoamericano de Historia Económica. Bogotá, Colombia.

Senado Federal (1986). CPI SUNAMAM: relatório final da comissão. Brasília: Imprensa Oficial.

Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (2015). Disponível em http://sinaval.org.br/

Superintendência Nacional da Marinha Mercante [SUNAMAM] (1968-1985, série completa). Anuário da Marinha Mercante. Rio de Janeiro.

Suzigan, W. (1992). A indústria brasileira após uma década de estagnação: questões para política industrial. Economia e Sociedade, 1, 89-109.




DOI: http://dx.doi.org/10.18232/alhe.v24i1.763

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2017 América Latina en la Historia Económica

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.