Notas sobre o comércio doméstico de escravos no oeste Paulista, 1875-1880

Gabriel Almeida Antunes Rossini
 http://lattes.cnpq.br/4743854072232335
; gaarossini@gmail.com ; Brasil

Fecha de envío 2016/01/12    Aceptado 2016/03/07   Publicado 2017/01/01

Resumen


Este artigo lança luz sobre aspectos do comércio interno de escravos no Oeste de São Paulo, Brasil, durante o intervalo 1875-1880. Procuramos estudar a dinâmica desse comércio em Araras, importante município cafeeiro. Com este objetivo em vista, compulsamos os Livros Cartoriais –preservados pelo 1º Cartório de Notas e Protestos de Araras– relativos à compra e venda de indivíduos escravizados. Nestes livros, localizamos 323 sujeitos comprados-vendidos ao longo de 110 escrituras. A partir das informações coletadas, realizamos apreciações econômicas e demográficas desse conjunto de pessoas.

Palabras clave


escravos; São Paulo; tráfico

Referencias


Abaeté, A. P. L. D. A. (1845). Protesto contra o acto do Parlamento britânico, que sujeitou os navios brazileiros que fizerem o trafico de escravos ao Tribunal do Almirantado e a qualquer Tribunal de Vice-Almirantado dentro dos domínios de Sua Magestade Britannica. Rio de Janeiro: Typographia Imperial e Constitucional de Villeneuve.

Alves, C. (2006). Espumas flutuantes. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Andrade, M. J. D. S. (1988). A mão de obra escrava em Salvador, 1811-1860. São Paulo: Corrupio.

Azevedo, C. M. M. (1987). Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites, século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Azevedo, E. (1999). Orfeu de Carapinha: a trajetória de Luiz Gama na imperial cidade de São Paulo. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Bassanezi, M. S. C. B. (org.) (1998). São Paulo do passado: dados demográficos (1836-1920): uma ferramenta de trabalho para o estudo da população paulista do passado [CD-ROM] Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Bethell, L. (2002). A abolição do comércio brasileiro de escravos: a Grã-Bretanha, o Brasil e a questão do comércio de escravos 1807-1869. Brasília: Senado Federal.

Camargo, J. F. D. (1952). Crescimento populacional no Estado de São Paulo e seus aspectos econômicos. Ensaio sobre a relação entre demografia e economia (Boletim núm. 153). São Paulo: Universidade de São Paulo.

Canabrava, A. P. (1967). Esboço da história econômica de São Paulo. In E. S. Bruno (org.), São Paulo terra e povo. Porto Alegre: Globo.

Castro, A. B. D. (1971). 7 ensaios sobre economia brasileira (2o. vol.). Rio de Janeiro: Forense.

Chalhoub, S. (1990). Visões da Liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte. São Paulo: Companhia das Letras.

Collecção das leis do Império do Brasil (1869). Rio de Janeiro: Typographia Nacional.

Conrad, R. E. (1978). Os últimos anos da escravidão no Brasil: 1850-1888. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Conrad, R. E. (1985). Tumbeiros: o tráfico de escravos para o Brasil. São Paulo: Brasiliense.

Costa, E. V. D. (1998). Da Senzala à Colônia. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Curto, J. C. (2005). Resistência à escravidão na África: o caso dos escravos fugitivos recapturados em Angola, 1846-1876. Afro-Ásia, 33, 67-83.

Dean, W. (1977). Rio Claro, um sistema de grande lavoura: 1820-1920. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Eisenberg, P. L. (1987). Ficando livre: as alforrias em Campinas no século XIX. Estudos Econômicos, 17(2), 175-216.

Eltis, D., e Richardson, D. (2010). The Trans-Atlantic Slave Trade Database Voyages: Emory University: Digital Library Research Initiative. Recuperado de http://slavevoyages.org/

Fragoso, J. L. R. e Florentino, M. G. (1987). Marcelino, filho de Inocência Crioula, neto de Joana Cabinda: um estudo sobre famílias escravas em Paraíba do Sul (1835-1872). Estudos Econômicos, 17(2), 151-173.

Furtado, C. M. (1972). Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Galloway, J. H. (1971). The last years of slavery on the sugar plantations of Northeastern Brazil. Hispanic American Historical Review, 51(4), 586-605.

Gorender, J. (1985). O escravismo colonial. São Paulo: Ática.

Graham, R. (2002). Nos tumbeiros mais uma vez? O comércio interprovincial de escravos no Brasil. Afro-Ásia, 27, 121-160.

Graham, R. (2004). Another middle passage? The internal slave. Em W. Johnson, The chattel principle: Internal slave trades in the Americas trade in Brazil. New Heaven: Yale University Press.

Graham, S. L. (1992). Proteção e obediência: criadas e seus patrões no Rio de Janeiro, 1860-1910. São Paulo: Companhia das Letras.

Grinberg, K. (1994). Liberata: lei da ambigüidade: as ações de liberdade da Corte de Apelação do Rio de Janeiro no século XIX. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Lara, S. H. (1988). Campos da Violência: escravos e senhores na Capitania do Rio de Janeiro, 1750-1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Luna, F. V. e Klein, H. S. (2005). Evolução da sociedade e economia escravista de São Paulo, de 1750 a 1850. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Karasch, M. (2000). A vida dos escravos no Rio de Janeiro: 1808-1850 (Tradução Pedro Maria Soares). São Paulo: Companhia das Letras.

Klein, H. S. (1978). The internal slave trade in 19th century Brazil. Em The middle passage. Comparative studies in the Atlantic slave trade. Princeton: Princeton University Press.

Machado, M. H. T. (2010). O Plano e o pânico: os movimentos sociais na década da aboliçã (2a. ed.). São Paulo: Universidade de São Paulo.

Mattos, H. M. (1998). Das cores do silêncio: os significados da liberdade no Sudeste escravista, Brasil século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Mattoso, K. D. Q. (1972). A propósito de cartas de alforria. Anais de História, 4, 23-52.

Mattoso, K. D. Q. (2003). Ser escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense.

Mello, P. C. D. (1984). A economia da escravidão nas fazendas de café, 1850-1888 (vol. I). Rio de Janeiro: Programa Nacional de Pesquisa Econômica.

Mello, P. C. D. e Slenes, R. W. (1980). Análise econômica da escravidão no Brasil. Em P. Neuhaus, Economia brasileira uma visão histórica (pp. 89-122). Rio de Janeiro: Campus.

Mendonça, J. (1999). Entre a mão e os anéis: a lei dos sexagenários e os caminhos da abolição no Brasil. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Milliet, S. (1982) O roteiro do café e outros ensaios: contribuição para o estudo da história econômica e social do Brasil. São Paulo: Hucitec.

Motta, J. F. (2012). Escravos daqui, dali e de mais além: o tráfico interno de cativos na expansão cafeeira paulista: Areias, Guaratinguetá, Constituição/Piracicaba e Casa Branca, 1861-1887. São Paulo: Alameda Casa Editorial.

Motta, J. F. e Marcondes, R. L. (2000). O comércio de escravos no Vale do Paraíba paulista: Guaratinguetá e Silveiras na década de 1870. Estudos Econômicos, 30(2), 267-299.

Nequete, L. (1988). Escravos e magistrados no Segundo Reinado: aplicação da Lei n° 2.040, de 28 de setembro de 1871. Brasília: Fundação Petrônio Portela.

Neves, E. F. (2000). Sampauleiros traficantes: comércio de escravos do alto sertão da Bahia para o oeste cafeeiro paulista. Afro-Asia, 24, 97-128.

Petrone, M. T. S. (1968). A lavoura canavieira em São Paulo: expansão e declínio (1765-1851). São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

Prado Jn., C. (2006). História econômica do Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense.

Relatório do Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, Commercio e Obras Publicas apresentado à Assembleia Geral Legislativa (1874). Rio de Janeiro.

Scheffer, R. D. C. (2012). Comércio de escravos do Sul para o sudeste, 1850-1888: economias microrregionais, redes de negociantes e experiência cativa (Tese de doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Silva, S. (1986). Expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. São Paulo: Alfa-Omega.

Simonsen, R. (1973). Aspectos da história econômica do café. Evolução industrial do Brasil e outros estudos. São Paulo: Companhia Editorial Nacional.

Slenes, R. W. (1976). The demography and economics of brasilian slavery: 1850-1888 (Tese de doutorado). Stanford University, Stanford.

Slenes, R. W. (2004). The Brazilian internal slave trade, 1850-1888: regional economics, slave experience, and the politics or a particular market. Em W. Johnson, The Chattel principle: internal slave trades in the Americas. New Haven e London: Yale University Press.

Slenes, R. W. (2011). Na senzala uma flor. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Stein, S. J. (1990). Vassouras: um município brasileiro do café, 1850-1900. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Tessitore, V. (1995). As fontes da riqueza pública: tributos e administração tributária na província de São Paulo (1832-1892) (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Versiani, F. R. e Vergolino, J. R. O. (2002). Preços de escravos em Pernambuco no século XIX (Texto para Discussão, núm. 252). Departamento de Economia. Universidade de Brasília, Brasília.

Versiani, F. R., Tannuri-Pianto, M. e Vergolino, J. R. O. (2003). Demand factors in the nineteenth-century Brazilian slave market. Associação Nacional dos Centros de Pósgraduação em Economia.




DOI: http://dx.doi.org/10.18232/alhe.v24i1.735

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2016 América Latina en la Historia Económica

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.