A capital paulista, suas águas e seu espaço (1890-1940): diferentes ações, um sentido.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Fabio Alexandre dos Santos
http://orcid.org/0000-0003-0537-1444

Resumen

Pode-se afirmar que se formou na cidade de São Paulo um “sentido de atuação” urbana constituído por uma orientação privada nas primeiras décadas do século xx? Essa é a hipótese desta reflexão que busca interpretar intervenções públicas e privadas sobre a cidade tendo como eixo norteador as águas, em especial as utilizadas para geração de energia. Isto posto, o objetivo que fundamenta este artigo é apreender a relação e os legados de empresas e agentes públicos na construção desse possível sentido de ocupação urbana que gerou um caráter elitista, excludente e privatista do espaço público. Para isso, são analisados documentos públicos e privados, jornais, além de um balanço historiográfico sobre os temas tratados.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Métricas de PLUMX

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Citas

Ab’Sáber, A. N. (1958). O sítio urbano de São Paulo. En A. de Azevedo (ed.), A cidade de São Paulo: Estudos de geografia urbana (pp. 169-245). São Paulo: Nacional.

Ackerman, A. J. (1953). Billings and water power Brazil. Nueva York: America Society of Civil Engineers.

Alvim, Z. M. F. e Corrêa, D. S. (2000). A água no olhar da história. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente.

Arasawa, C. H. (2010). Uma cidade-capital: Práticas e estratégicas no campo urbanístico de São Paulo (1910-1945). En N. Odália e J. R. de C. Caldeira (eds.), História do estado de São Paulo: A formação da unidade paulista (pp. 343-363). São Paulo: Editora Unesp/Arquivo Público do Estado/Imprensa Oficial.

Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. (1938). Decreto 9.651.

Bacelli, R. (1982). A presença da Companhia City em São Paulo e a implantação do primeiro bairro-jardim (Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Bartalini, V. (2006). A trama capilar das águas na visão cotidiana da paisagem. Revista USP, 70, 88-97. doi: 10.11606/issn.2316-9036.v0i70p88-97

Berman, M. (1986). Tudo que é sólido desmancha no ar: A aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras.

Bovo, J. M. (1974). Desenvolvimento econômico e urbanização. Influência do capital inglês na estrutura urbana de São Paulo (Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Câmara dos Deputados do Estado de São Paulo. (1927). Projecto de Lei no 74 de 1927 que concede favores à The São Paulo Tramway Light and Power Company Limited.

Campos, C. M. (2002). Os rumos da cidade: Urbanismo e modernização em São Paulo. São Paulo: senac.

Castro, A. C. (1979). As empresas estrangeiras no Brasil: 1860-1913. Rio de Janeiro: Zahar.

Chalhoub, S. (1996). Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras.

Corrêa, D. S. (2006). Historiadores e cronistas e a paisagem da colônia Brasil. Revista Brasileira de História, 26(51), 63-87. doi: 10.1590/S0102-01882006000100005

Costa, L. A. M. (2003). O ideário urbano paulista na virada do século: O engenheiro Theodoro Sampaio e as questões territoriais e urbanas modernas (1886-1903). São Carlos: RiMa Editora.

Costa, W. (1998). A questão fiscal na transformação republicana: Continuidade e descontinuidade. Economia e Sociedade, 10, 141-173.

Custódio, V. (2012). Escassez de água e inundações na região metropolitana de São Paulo. São Paulo: Humanitas.

Elias, N. (1994). O processo civilizador: Uma história dos costumes (vol. 1). Rio de Janeiro: Zahar.

Ferla, L., Santos, F. A. D., Atique, F., Morais, D. D. S., Yamamoto, J., Rosin, M., Moraes, A. (2014). A enchente de 1929 na cidade de São Paulo: Memória, história e novas abordagens de pesquisa. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, 8, 149-166.

Freitag, B. (2012). Teorias da cidade. Campinas, São Paulo: Papirus.

Furtado, C. (1953). Formação econômica do Brasil. Brasília: Universidade de Brasília.

Gouveia, I. C. M. (2016). A cidade de São Paulo e seus rios: Uma história repleta de paradoxos. Confins, (27), 1-19. doi: 10.4000/confins.10884

Harvey, D. (2005). A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume.

Harvey, D. (2013). Os limites do capital. São Paulo: Boitempo.

Hobsbawm, E. (1998). A era dos Impérios (1875-1914). São Paulo: Paz e Terra.

Iannone, R. A. (2006). Evolução do setor elétrico paulista (Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Instituo Brasileiro de Geografia e Estatística. (s. f.). Documentos vários.

Jorge, J. (2006). Tietê, o rio que a cidade perdeu: São Paulo, 1890-1940. São Paulo: Alameda.

Lérias, R. A. (1988). O Encilhamento e a cidade de São Paulo, 1890-1891 (Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Maffey, R. (1995). A Light e o controle das enchentes. História & Energia, 5, 72-85.

Marques, L. (2018). Capitalismo e colapso ambiental. Campinas: Edunicamp.

Martinez, P. H. (2006). História ambiental no Brasil: Pesquisa e ensino (vol. 130). São Paulo: Cortez.

McDowall, D. (2008). Light: A história da empresa que modernizou o Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro Publicações.

Mehrtens, C. (2003). Public and private, national and international: Crossed paths in São Paulo’s process of urban consolidation, 1900-1940. En N. Randeraad (ed.), Formation and Transfer of Municipal Administraive Knowledge (pp. 13-39). Baden-Baden: Jahrbuch für Europäische Verwaltungsgeschichte.

Merhy, E. E. (1987). O capitalismo e a saúde pública: A emergência das práticas sanitárias no estado de São Paulo. Campinas: Papirus.

Needell, J. D. (1993). Belle époque tropical: Sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. São Paulo: Companhia das Letras.

Pádua, J. A. (2010). As bases teóricas da história ambiental. Estudos Avançados, 24(68), 81-101. doi: 10.1590/S0103-40142010000100009

Pontes, J. A. (1995). Pinheiros: Do rio ao canal. História & Energia, 5, 1-15.

Prado jr., C. (1997). Formação do Brasil contemporâneo. Sao Paulo: Brasiliense.

Romero, J. L. (2009). América latina: As cidades e as idéias. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Saes, A. M. (2010). Conflitos do capital: Light versus CBEE na formação do capitalismo brasileiro, 1898-1927. Bauru: Editora da Universidade do Sagrado Coração.

Saes, F. A. M. (1986). Café, indústria e eletricidade em São Paulo. História & Energia, 1, 21-30.

Saes, F. A. M. e Szmrecsányi, T. (1995). El papel de los bancos extrangeiros em la industrialización inicial de São Paulo. En C. Marichal (ed.), Las inversiones extranjeras en América Latina, 1850-1930: Nuevos debates y problemas en historia económica comparada (pp. 230-243). México: Fondo de Cultura Económica.

Santos, F. A. (2011). Domando águas: Salubridade e ocupação do espaço na cidade de São Paulo, 1875-1930. São Paulo: Alameda/Fapesp.

Santos, F. A. dos. (2015). As inundações na região central da cidade de São Paulo: dinâmicas e significações (1850-1922). En J. Jorge (org.). Cidades paulistas. Estudos de história ambiental urbana (pp. 37-71). São Paulo. São Paulo: Alameda/ Fapesp.

Santos, F. A. (2018). Intervenções sobre o rio Pinheiros e a incorporação do espaço urbano nas primeiras décadas do século xx: O caso da região do Brooklin na cidade de São Paulo. Agua y Territorio, 11, 44-57. doi: 10.17561/at.11.2953

Santos, M. (1998). A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec.

Schulz, J. (1996). A crise financeira da abolição, 1875-1901. São Paulo: Edusp/Instituto Fernand Braudel.

Seabra, O. C. L. (1987). Os meandros dos rios nos meandros do poder: Tietê e Pinheiros: Valorização dos rios e das várzeas na cidade de São Paulo (Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Seabra, O. C. L. (1988). Enchentes em São Paulo. Culpada Light? Memórias, 1(1), 21-24.

Senado do Estado de São Paulo. (1927). Projecto de Lei no 74 de 1927 que concede favores à The São Paulo Tramway Light and Power Company Limit.

Souza, C. (2006). Políticas públicas: Uma revisão da literatura. Sociologias, 16, 20-45. doi: 10.1590/S1517-45222006000200003

Souza, M. C. P. (1988). O capital imobiliário e a produção do espaço urbano. O caso da Cia. City (Mestrado). Fundação Getúlio Vargas, São Paulo.

Stiel, W. C. (1986). Metrô, velho desejo paulistano. História & Energia, 3, 27-62.

Suzigan, W. (1986). Indústria brasileira: Origem e desenvolvimento. São Paulo: Brasiliense.

Szmrecsányi, T. (1986). A era dos trustes e cartéis. História & Energia, 1, 6-20.

Tannuri, L. A. (1977). O Encilhamento (Mestrado). Universidade de Campinas.

Telarolli jr., R. (1996). Poder e saúde: As epidemias e a formação dos serviços de saúde em São Paulo. São Paulo: Universidade Estadual Paulista.

The São Paulo Tramway, Light & Power Co. Ltd. (1952). Annual Report-Relatório Annual. São Paulo: The São Paulo Tramway, Light & Power Co. Ltd.

The São Paulo Tramway, Light & Power Co. Ltd. (1958). Annual Report-Relatório Annual. São Paulo: The São Paulo Tramway, Light & Power Co. Ltd.

The São Paulo Tramway, Light & Power Co. Ltd. (1964). Annual Report-Relatório Annual. São Paulo: The São Paulo Tramway, Light & Power Co. Ltd.

Veyret, Y. (2007). Os riscos o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto.

Worster, D. (1991). Para fazer história ambiental. Estudos Históricos, 4(8), 198-215.